Saturday, November 05, 2005

28/05/2005 02:09 - O Amor Não Morreu!

O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
Não é um escravo do CRTL V, só o que a maquininha do quarto de hospital imaginário apitava...
O Amor não morreu, só está em coma!
Num ato desesperado ela cortou todo e qualquer laço que podia ter com a vida, na tentativa ridícula de chamar a atenção dele, imaginando que estaria no próprio enterro, em espírito, para ver se ele chorava debruçado no caixão e se colocariam músicas que ela gostava...
Que tola, imaginou o efeito do amor, se ele constrói ou destrói, como não conseguia construir nada, ignorou que para o amor construir tinha que ser recíproco e destruiu sozinha...
Na inocência de uma criança, que insistia em viver mais fora que dentro dela, fez a besteira, bem sabia que nada sobraria desse ato, nem a visão romântica de um enterro, pois não há perdão aos suicidas!
Mas enquanto sangrava começou a gritar o nome dele, o máximo que conseguiu foi acordar a vizinhança irada que a socorreu e chamou a ambulância.
Chegando no hospital só lembra de lindos olhos azuis, o que a fez voltar à fita e pensar num filme que tentaram ver juntos, e achou que era um anjo, sorriu e disse:
- Foi dele que mais gostei...
Desmaiou, e quando voltou, pretensiosa, achou que estava no céu!
Tão dopada de remédios e com os braços presos, sentia a dormência anestésica no pulso, estava viva...
Nada de seu amor de perdição por perto...
E ele que achou que poderia ser lembrado como uma muleta psicológica... Maior prova de amor a ele e desamor a ela... Impossível!
Quase fez outdoors pela cidade declarando seu arrependimento por ter escorregado e o perdido, mas não deu tempo!
Com medo do que imaginou que ele pudesse estar fazendo naquela noite... Cortou-se!
Será que alguém o avisou?
Que vergonha!
Se tivesse ido não passaria por esse momento de dúvida...
Os calmantes tomam conta dela, vê o rosto dele, lágrimas e sente um beijo na testa, nos lábios, uma tentativa de abraço...
Uma visão? Consegue imaginar um tempo sem amar, ela está dopada, mas viva, bem viva, só ouve...
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
O Amor não morreu, só está em coma!
É o barulho chato da máquina ou seu coração sob efeito das drogas?